Posts com Tag ‘Militarismo’

Dizem por aí que os anos 90 são os novos anos 80, em termos de referências de moda para a década de 2010. Parece confuso? Muitas décadas juntas numa só oração? Então que tal acrescentar os anos 40, 50, 60 e 70? Too much information? Mas é justamente essa salada de referências passadas que estamos vivenciando na moda de hoje.

Fotografia de moda de 2010

Da década de 40 voltou com força o militarismo, os espartilhos, o tweed. Uma das mais recentes coleções da Louis Vuitton remete à década de 50, assim como a feminilidade ladylike, a silhueta de cintura fina seguida de saia bem rodada e longa, alternando com a saia lápis, o tailleur, os vestidos arquitetônicos, as plumas e os paetês. Já de referências sessentistas temos as flores nos cabelos, um quê de futurismo, o coque alto na cabeça à la Brigitte Bardot. Da década de 70 visualizamos o tie-dye, o étnico, a força do jeans, as jaquetas de couro, o natural look (maquiagem com cara de não-me-maquiei) que foi desfilado na última SPFW como tendência para este verão, o tricô. No âmbito dos anos 90 temos a volta do minimalismo, a camisa xadrez do grunge, o glamour jet-setter (Tom Ford dos anos 90), a exuberância barroca. E a própria década de 80 continua mostrando o ar da graça com o espírito aeróbico através de uma moda mais esportiva, tornezeleiras, ou melhor, polainas (!), o navy e o estilo sagrado e profano ditado pela Madonna, dentre outras TANTAS referências de todas essas décadas.

Afinal, dá pra se falar em “novos anos 80” com tantas referências intertemporais?

Em palestra intitulada “Trinta anos de moda no Brasil – um olhar“, conduzida durante o Barra Fashion Mall, a jornalista Marília Scalzo abordou, além da história da moda brasileira a partir da década de 80, as conexões dessa moda com cultura e comportamento, destacando o surgimento das tribos e como estas evoluíram até os dias de hoje. Após palestra, conversei com a jornalista sobre algumas conclusões que poderiam ser auferidas a partir de tais informações e contextualizá-las aos dias de hoje.

A jornalista Marília Scalzo palestra sobre história da moda no Brasil - Barra Fashion Mall

Pois bem, segundo Marília Scalzo apresentou, as tribos ganharam destaque na década de 80. Bem definidas, cada indivíduo pertencente a uma tribo era facilmente identificável. Todavia, com a evolução do mundo e da sociedade, a velocidade da informação (principalmente da informação de moda) aproximou a convivência dessas tribos de tal modo que nas décadas seguintes já era possível perceber a presença de variadas tribos num só indivíduo: multifacetado, “pluri-estilizado”! A “patricinha” de dia poderia virar uma funkeira à noite, dentre outros aparentes paradoxos que já não são estranhos aos nossos olhos. E hoje já é até muito comum identificar a presença de várias tribos num só look!

Daí porque se pararmos para entender tantas referências a diferentes décadas do passado, percebemos que estas podem conviver na moda tal como as tribos: cada uma contribuindo com o melhor que tem para oferecer.

E por que a moda de determinada década volta? Qual a necessidade dos anos 80, 90 ou qualquer outra década voltar a ser “tendência” de moda?

Segundo Marília, coisas boas do passado sempre voltam pelo simples fato de que elas são boas e, portanto, sempre aproveitáveis. As referências do passado vão e voltam, conforme a necessidade de moda de determinado contexto. Assim, no pós anos 90 não se podia mais ouvir falar em minimalismo – de tão minimalista que foi a moda deste período – e hoje, após um período de descanso (leia-se: uma década!), o minimalismo volta para agradar novamente os olhos cansados dos excessos da década anterior.

Campanhas recentes da Prada, Louis Vuitton e Guess

Assim, os anos 90 podem até serem os novos anos 80, mas não estão sozinhos nessa caminhada: a convivência com as diversas referências do passado se faz presente e é cada vez mais uma tendência para a moda: o convívio de “tribos e referências” num só contexto.

E pra fechar de uma forma filosófica, uma revelação bombástica: nem anos 90, nem anos 80, nem nada: tudo o que volta retorna com novos olhares – os olhares de 2010! Portanto se você acha que vai voltar a usar a modinha dos anos 50, esqueça! E aquele seu moletom do Planet Hollywood e a bolsinha estilo mochilinha que você guardou com tanto carinho no maleiro na esperança de usá-los novamente? Cesta de doação djá! A não ser que você queira incorporar o estilo vintage ao seu look, que não necessariamente te deixará “na moda”! O que passou não volta igual, e tudo o que usamos hoje, por mais grunge (90), punk (80) ou hippie (70) que seja, é uma moda exclusiva de 2010!

Pobres consumidores…

A mulher de ontem e a mulher de hoje

Algumas referências históricas: Guia Fashion Iguatemi; Comunidade Moda anos 40 e anos 60.

A estética fetichista ganha força através da figura da mulher Dominatrix. Poder, relação de dominação e submissão, erotismo, fantasia e distanciamento (como uma espécie de mitificação da figura da mulher poderosa) formam a nuvem de tags em torno deste conceito. Ela provoca, provoca, e só provoca! A dominatrix não é apenas um figurino mulher-gato; é também postura e atitude.

A androginia do militarismo evolui para uma mulher ainda durona, porém mais feminina, mais mulherão. As calças cargo, a jaquetona verde-musgo abrem espaço para uma roupa muito mais delineada, quase que formando uma segunda camada de pele, mais consistente, cujas principais armas de combate são o poder de sedução, o salto alto e o chicotinho de couro!

Anota aí algumas peças fetichistas que podem dar aquele up dominatrix ao look:

  • Couro envernizado
  • Vinil
  • Látex
  • Botas de cano alto (over-the-knee boots)
  • Capas/trench-coats usados com stilettos
  • Espartilhos
  • Lingeries
  • Cadarços e amarrações
  • Meias 7/8
  • Materiais mais estruturados, porém bastante acinturados, curtos ou decotados (a idéia é acrescentar o máximo de feminilidade para trazer sensualidade ao visual “malvadona”)

Agora é se jogar na tendência pra arrasar com o Alejandro, o Fernando e o Roberto.

Como já foi observado aqui no blog, o selvagem, a guerrilha, o drama, o heavy metal estão sempre inspirando ou servindo de contraponto às tendências que vêm surgindo. Mesmo referências que, a princípio, são associadas a romantismo e delicadeza (tule!) não conseguem quebrar de todo essa tendência animalesca.

Tanto nas roupas, quanto na maquiagem, tudo o que remete a esse espírito de estou-pronta-pra-batalha tem sobressaído com certa razoabilidade nos caminhos da moda.

Roupas rasgadas, militarismo, cabelo bagunçado, maquiagem borrada (e olho esfumado, gloss escuro, efeito molhado, dormi-de-maquiagem e derivados), batom dark (preto e até os tons de vermelho que estão muito mais fechados para o vinho), underground, spikes, mistura de animal print num mesmo look (onça, leopardo, zebra e até girafa – sempre os não domesticados!), sapatos pesados, muita plataforma, jeans + jeans (ô look carregado), e muito mais!

Quer romance? Vá ler um livro, e de preferência com seus óculos super nerd, bem intelectualóides e bem marcantes, pra enxergar melhor, pra pensar melhor. Até para as noivas os detalhes em preto contrastam no vestido de princesa.

O nude virou camelo – é preciso se expressar, não há mais espaço para passar desapercebida. Se antes a moda queria esconder, para outros valores sobressaírem, agora é hora de colocar uma armadura e sair à luta, aparecer, mostrar ao mundo a que se veio. Daí que, até no universo dos neutros, é preciso ter uma cor mais expressiva. (E não poderia haver nome melhor do que camelo – o selvagem dos neutros!)

Até o inverno, todo esse drama tem predominado, ainda que subliminarmente, no mundo da moda. Vamos aguardar as tendências de verão para ver se esse vai ser ou não um perfil de todo o ano, em que a gente sente necessidade de dar a cara a tapa e ir à luta, sobreviver a traumas políticos, sociais e ecológicos sem tempo para consertar o delineador, se equilibrar na instabilidade das bolsas e do mercado de capitais (calma, Grécia!), e continuar correndo para superar tudo, virando noite, se esforçando para segurar as pontas para que, até o final do ano, tudo corra bem.

Será?

E que venham as tendências do Fashion Rio e do São Paulo Fashion Week, edição de verão!

Vc vai toda trabalhada nas tendências para as festas baphônicas, arrisca uma modinha no dia-a-dia, e, quando vai malhar, veste aquele seu abadá do carnaval de 2003, amarra o frufru no cabelo e se joga? Então tá na hora de rever seus conceitos! A academia faz parte da vida, assim como os eventos sociais “importantes”, e sendo assim, concentrar esforços para a produção do seu look de ginástica faz toda a diferença na forma como vc encara o mundo (e como o mundo te encara)!

Ultimamente muitos dos grandes estilistas têm firmado parcerias com as mais famosas marcas desportivas. A saber: A Reebok firmou recentemente uma parceria com a Emporio Armani, Stella McCartney para a Adidas, e o McQueen muso ainda nos brindou com a última coleção da Puma. Mas o mais interessante mesmo é garimpar peças para a malhação em marcas que não são necessariamente de sports wear. Assim fica mais fácil fugir da camiseta branca e calça preta de listra, e trabalhar as tendências mais-mais da estação, pra chegar na academia no ponto!

Preparei uma listinha das tendências das roupas de ginástica, bem como das roupas de ginástica que estão trabalhadas nas tendências! Entenderam? Então presta atenção enquanto aproveita pra fazer aquele alongamento ergonômico e endireitar a coluna na frente do PC:

1. Brilho

Não poderia deixar de ser diferente neste ano-balada. E assim como a wet legging, a wet jacket também garante aquele brilho molhado durante os exercícios.

2. Acinturado

3. Recortes

Recortes laterais, já sabemos, são o carro-chefe dentre as tendências dos recortes. Mas não só de recortes laterais vivem as tendências, como vimos nas fashion weeks, abrindo espaço para diversos outros pontos de destaque na roupa. E em se tratando de academia, recortes são sempre bem-vindos para garantir o frescor ou evidenciar aquele músculo trabalhado. Mas atenção para não cair no piriguetismo. Essa calça preta recortada da Victoria´s Secret mesmo requer bastante cautela!

4. Transparência e Não-transparência

5. Renda

6. Tênis de salto

Para o antes e o depois das atividades físicas. Principalmente para aquelas em que vc faz descalça! Boa pedida para chegar abalando na aula de pilates, antes de tirar o sapato (na frente de todo mundo, é claro).

7. Bichismo

8. Assimetria / Um ombro só/ Ombros de fora

9. Mangas especiais

Até a Gwyneth Paltrow que volta e meia vai malhar na tendência pijamismo, desta vez acertou com este look fabuloso. Difícil é malhar assim aqui no Brasil (na Bahia, vai). Calor não deixa.

10. Bandagem/ Drapeado

11. Cropped

As blusinhas, casaquinhos, calças curtas/de bainhas máxi cortadas.

12. Grafismo / Xadrez / Matelassê

13. Shorts estampados / hot pants

E até saias para corrida/running (é a aposta da Track & Field)! Se as hotpants são difíceis de usar pra vida, na academia (leia-se esporte na praia) fica fácil. E os shorts lindos, brilhantes, estampados, até a Katy Perry já incorporou à sua caminhada diária.

14. Brasil

Pode parecer demodé, mas quando estiver pertinho da Copa vcs vão desejar loucamente ir pra academia vestindo as cores da bandeira. Acreditem.

15. Mais tendências

Coletinho, decotão, trama, correntes, babado, zíper aparente, macaquinho, tricô, militarismo, são boas idéias para atualizar o look malhação.

Dica: trabalhar o corpo que veste a moda é tão importante quanto trabalhar a moda que veste o corpo.

Mas se vc não quer/não pode abrir mão do abadá, ao menos usa aquele todo trabalhado nas tendências, que vc aprendeu a fazer aqui, no carnaval passado. ;o)

E pra fechar o circuito ready-to-wear Outono 2010 internacional: Paris! Que vem recheada dos estilistas mais-mais, os mais esperados e celebrados, do bapho desfile do McQueen à wish-list mais comercial no Balmain, passando por clássicos (e nem tão clássicos assim), vamos ver o que vai pegar na moda e na vida!

Voilá:

1. Office Vibe

A alfaiataria, apesar de ser um clássico, despontou nas passarelas internacionais. E de uma forma excessiva, não só em Paris, mas em Milão, NYC, Londres.. E agora com o fechamento desse circuito internacional podemos perceber uma tendência fortíssima na alfaiataria. Mas não pensem naquelas referências padrão; nesta temporada a alfaiataria se torna “apenas” um instrumento – de acompanhamento das tendências. É uma alfaiataria repaginada, ou, como diria o Refinery29, é o “Office Vibe”: pra vc sair na rua com cara de escritório (ou ir pro escritório com cara de mudérrrna!). Analiticamente:

*Clica pra ampliar!

*Clica pra ampliar!

Na imagem:

Look clássico: Hermès e Akris

Dourado: A pegada dourada no blazer de Dries Van Noten

Variações do clássico: com bermudinhas (Lutz) ou a transformação dos blazers em vestidos (como o do Givenchy e o blazer-vestidão lindíssimo do Hussein Chalayan)

Pijamismo: Que é tendência da estação, no look Kenzo

Decotão: aposta do Ann Demeulemeester

Fetichismo:  tendência forte também em versão alfaiataria (Tim Van Steenbergen  e Ann Demeulemeester)

Boho/ Folk: look do Wunderkind

Lacinho / Zíper aparente / Ombrão: coisa mais linda que ficou essa aposta nas tendências, por Gaspard Yurkievich

Preppy: prova de que a alfaiataria dá pra ir do mulherão à teenager, sem perder the office vibe! Na foto, look Chloé.

Grunge:  Xadrez, gravatinha rasgada, tenisinho, boas doses de rebeldia… (Marithé e François Girbaud)

2. Calça Jodhpur

São aquelas calças de montaria, com quadril larguinho e pernocas afuniladas, pra facilitar na hora de subir no cavalo, né? Então, apareceu de uma forma razoável em Paris, e já dá pra ficar de olho! Vê na imagem alguns exemplos:

Guy Laroche; Christian Dior; Leonard; Kenzo

3. Laços

E não só no pescoço: lacinhos por todos os cantos, reais ou “fake” (como o “desenho” de lacinho lindão no vestido do Tsumori Chisato), e até mesmo gargantilha de lacinho, pra entrar junto com a tendência “pescoços em evidência”.

4. Capas transparentes / Efeito Shadow

Essa aqui é interessante. São espécies de “capas” criadas pelo tule (na maioria dos casos) sob a roupa. Em alguns casos são efetivamente capinhas transparentes (como os looks do Yves Saint Laurent e do Bernhard Willhelm, na foto abaixo), mas em outros casos são tecidos leves e transparentes que criam o efeito “shadow” (sombra) nos looks. Bem bacana. Mas não sei que nome dar a essa tendência.. acho que “efeito shadow” dá pra pegar  (oi fashionistas historiadores de plantão! =D ).


5. Estampa de Jornal

Diz que o que a Balenciaga coloca nas passarelas vira referência para as próximas estações. E não duvido que desta vez seja diferente. A Balenciaga desfilou em Paris muitas estampas de jornais, pra sair por aí cheia de informação!! Mas, ainda em Paris, vimos estampa de jornal também na Vivienne Westwood! E se lembrarmos ainda desta temporada de outono-inverno 2010 (!), versão brasileira, encontramos também estampa de jornal num tecido mega metalizado da Amapô (bem diva!). Quer mais? Apesar de ser bem vintage, de coleções passadas, a Carrie Bradshaw (Sarah Jessica Parker) vai aparecer no Sex and the City 2 num vestido todo trabalhado no jornal! Restam dúvidas de que estampa de jornal vai virar notícia??

6. Muitos cintos num só look / cinto amarradinho / cinto dobradinho

E tem também o recurso de dois, três!, cintos num só cintão. E tem também esse mesmo cintão fechando com a ponta do cinto dobradinha, como em John Galliano. Sucesso.

*Clica pra ampliar

E, como toda tendência, também em Paris encontramos mais-do-mesmo:

7. Couro (em diversas cores)

8. Volume + cinto

9. Transparência e não-transparência

10. Calças trabalhadas / Leggings combinando com o look

11. Zíper aparente

12. Um ombro só / Assimetria

13. Renda preta

14. Manga cheia / manga transparente

15. Cropped

16. Polaina

17. Bota de cadarço

18. Gola alta / Gargantilhas / Golas trabalhadas

19. Militarismo

20. Vermelho / Vinho / Azul Klein

Mais do mesmo

Imagens e Referências:

Petiscos; BlogLP; Style; Elle; Refinery29; Fashionising; Ana Clara Garmendia.


Em primeiro lugar, mil desculpas pela demora! Carnaval foi bom, e o pós-carnaval foi péssimo, como já é tradição! =D

Aproveitei este período para me aperfeiçoar nas montagens, espero que gostem!!

Então aqui começa a seqüência de tendências “ready to wear” para o outono 2010 do hemisfério norte, conforme podem ser destacadas dos desfiles gringos que estão rolando lá fora. Começando por New York! Vamos lá:

1. Pescoços em evidência

Seja no uso de gola rolê, seja no uso de gola alta, super golas que dão aquele ar de Cruela (oi, 101 Dálmatas!), seja através de gargantilhas que super apareceram nas passarelas nova iorquinas! Parece que os colares statement da vez serão mesmo as gargantilhas!


2.Decotão

Já que é pra evidenciar o pescoço, nada melhor do que super cobri-lo com golas especiais / gargantilhas ou… deixá-lo totalmente à mostra com decotes que por si só fazem o prolongamento do pescoção.


3. Ombros em evidência

Mas não é tomara-que-caia! Para este há um truque especial de styling, que vcs verão no item 9 dessa listinha. Os ombros aqui ficam de fora por meio das peças de um ombro só (blusas ou vestidos), bem como pelo decote sutil de outras peças, valorizando a saboneteira!


4. Amarração

Já tenho observado essa amarração não óbvia em alguns looks red carpet, e a NYFW reforçou essa tendência.

Tendência na Fashion Week e nos red carpets

5. Fios/Franjas elétricas

Franjas que saltam da roupa!


6. Manga transparente

7. Manga Cheia


8. Máxi-colete

Hillary Duff mostra que o super colete da fashion week já é tendência pra vida real

9. Tomara-que-caia + blusa/camisa/camiseta

Essa forma de misturar peças já não é super novidade, mas o lance aqui está nos tipos diferentes de blusinhas (incluindo a tendência manga transparente!) que são usadas na sobreposição (bem como os tomaras-que-caia que não necessariamente são vestidinhos, podendo ser macaquinhos, só blusinhas, vestidões etc.)


10. Drapeado


11. Grafismo


12. Veludo


13. Couro

Couro bombou.. de várias coures!


14. Look branco / Casaco branco

O interessante aqui está no fato de ser look branco total ou de ser casaco branco – proposta contrafática do frio do outono-inverno, que em regra pede roupas mais escuras.


15. Dourado e Prateado

O brilho da vez que mais se destacou na representação do ano-balada foi o dourado em parceria com o prateado. Clássicos e brilhosos!


16. Cartela de cores: Azul Klein; Amarelo; Verde; Vermelho; Roxo

O azul Klein (que em posts passados eu mencionava como “anil”, e agora aprendi o nome dessa cor maravilhosa e patenteada!) vai bombar demais! Tá quase dominando nas fashion weeks! Porque a gente já suspeitava desde o princípio que 2010, definitivamente, não será o ano do turquesa!

E as outras cores que mais inseriram pontos de luz no preto/cinza do outono foram o amarelo (o mostarda tb), o verde, o vermelho aberto clássico e o roxo.


17. Militarismo


18. Preppy

Ou colegial! Lembra muito o guarda-roupa de Cher de “As patricinhas de Beverly Hills”, não?


19. Tribal

Na onda Avatar.


20. Sonambulismo

Porque depois do Hippie Chic, Bohemian Chic e Mendigo Chic (Olsen twins em ação), nada como o Pijama Chic pra dar um toque de variação. Pra sair com cara de quem vai pegar água na geladeira no meio da noite. Mas nada de sair por aí de touca e  máscara hidratante verde no rosto, heim?


21. Não-transparência

Nossa velha conhecida de tendências do ano.


22. Flor

Apliques de flor pela roupa e pela vida.

23. Botinha branca!

Depois de Avatar, Alice no País da Maravilha feelings.


24. Bota de cadarço



25. Bolsa transpassada


26. Polaina

Como o pessoal do Petiscos prefere classificar as meinhas. 3/4, 5/8, aquele mesmo esquema do SPFW.


27. Sapato Fluffy

Plumas, peles e pelos foram para os calçados, dominando geral.


Imagens e referências:

Style, Elle, Petiscos, BlogLP, JustJared, FashionFame, Refinery29, Pretty Guide of Art, Showstudio