Posts com Tag ‘Alexander McQueen’

Vc não leu errado, nem eu digitei errado. Eu realmente não estou me referindo ao ombré hair, que, em se tratando de um blog sobre tendências, is SOOO last season! A bola da vez é o ombré dress!! O conceito é o mesmo: efeito sombreado. Nos vestidos, lembra o Tie Dye, mas não é aleatório como este: é focado numa parte “iluminadora” da nova cor, que geralmente pode começar do meio do vestido para baixo, ou se expandir a partir do meio para os lados. É quase uma “californiana”, mas traz o degradê do ombré! 🙂

Ombré dress no fesfile do Paul Costelloe em Londres - Spring/Summer 2011

 

Blumarine - Milão S/S 11

Lela Rose trouxe o ombré dress em diferentes concepções - NYFW S/S 11

Modelos McQueen e Galliano no eixo Paris S/S 11

E já que a tendência de cabelos do verão foi o ombré highlights, por quê não pensar num ombré highlight dress? Esse novo conceito traz o sombreado para os vestidos a partir de pontos de “brilho” – e não de “cor”. É o caso do Marchesa que a Olivia Wilde usou no Globo de Ouro 2011 (na 1ª foto que ilustra esse post), começando bem forte no topo do vestido e reduzindo o sombreado até o fim.

Ombré "HIGHLIGHTS" dress da Jenny Packham (NYFW S/S 11) - iluminação expansiva a partir do centro do vestido

Modelo da Monique Lhuillier (New York S/S 11)

E você que se jogou FORTÍSSIMAMENTE no ombré hair neste verão e está aí morrendo de medo de se arriscar num ombré dress para não criar um efeito combinei-o-make-com-o-look, heim? Será que vai ficar tão bad assim? Em se tratando de ombré hair, nada melhor do que a ombré-hair-setter Drew Barrymore para fazer esta experiência digna dos caçadores de mitos. Mostra pra gente, Drew:

Drew Barrymore - ombré hair e ombré dress sem medo de ser feliz!

ou seja… VEM GENTE!

…ou de como Davide Sorrenti permanece vivo em nossos editoriais.

Que os anos 90 são os novos anos 80 todo mundo sabe. Mas a década de 90, apesar de ser a década das super models (Kate Moss, Naomi Campbell, Cindy Crawford), onde a exuberância da beleza atingia o seu ápice, representou também palco para expressões subversivas na moda: desde o moderninho movimento grunge (Marc Jacobs), passando pelo “anarquismo” de Galliano e McQueen, até a inconseqüente estética do Heroin Chic.

A coerência do Heroin Chic estava no paradoxo de identificar glamour na degradação humana, onde a fotografia de moda apresentava modelos como usuárias de drogas pesadas. A imagem esquálida, abatida, zumbi, ao mesmo tempo refletia e influenciava o meio social da época.

Mas eis que, desastres fashion à parte, o Heroin Chic perdeu força e a sociedade como um todo evoluiu. Salvo algumas recaídas já no novo milênio (anos 00), rapidamente solucionadas por rehabs (and leave Britney alone!),  a busca por uma melhor qualidade de vida ganhou muitos adeptos. E em tempos de reeducação alimentar, meio ambiente auto-sustentável, atividades físicas, modelos mais torneadas, produtos orgânicos, eco-bags, use-o-filtro-solar e lei anti-fumo… cigarros em editoriais chocam! Talvez mais que o Heroin Chic, já que à época a desinformação era maior. Choca porque é anti-tendência, ou, no caso, uma tendência regressiva. É ir de encontro a uma evolução de pensamento e de vida. E muitas revistas internacionais de moda têm regredido nesse sentido.

O cigarro ainda faz parte da sociedade, e negar isso seria negar a própria sociedade. Mas publicizar essa estética num editorial de moda passa a ser uma questão de saúde pública, sem o devido alerta para os riscos causados pelo consumo do cigarro e o poder de influência que a moda (e o comportamento de moda) exerce sobre a sociedade, em especial os jovens. Ainda mais quando a modelo de agora não parece depressiva como antes – esbanja sensualidade e glamour.

E então, de que lado você fica: em defesa da “arte” ou na defesa do consumidor?

*Associando moda e tabaco de uma forma produtiva, o Centro de Câncer de Brasília tem apostado na moda como um veículo de conscientização anti-tabagista. O movimento Sem tabaco, 100% Fashion tem ganhado relevância internacional e no dia 31 de agosto vai ocorrer uma intervenção urbana, na Av. Paulista, proposta pelo Cettro em parceria com o Incor. Esta sim, uma tendência boa e na qual vale a pena apostar! ;o)

Vc vai toda trabalhada nas tendências para as festas baphônicas, arrisca uma modinha no dia-a-dia, e, quando vai malhar, veste aquele seu abadá do carnaval de 2003, amarra o frufru no cabelo e se joga? Então tá na hora de rever seus conceitos! A academia faz parte da vida, assim como os eventos sociais “importantes”, e sendo assim, concentrar esforços para a produção do seu look de ginástica faz toda a diferença na forma como vc encara o mundo (e como o mundo te encara)!

Ultimamente muitos dos grandes estilistas têm firmado parcerias com as mais famosas marcas desportivas. A saber: A Reebok firmou recentemente uma parceria com a Emporio Armani, Stella McCartney para a Adidas, e o McQueen muso ainda nos brindou com a última coleção da Puma. Mas o mais interessante mesmo é garimpar peças para a malhação em marcas que não são necessariamente de sports wear. Assim fica mais fácil fugir da camiseta branca e calça preta de listra, e trabalhar as tendências mais-mais da estação, pra chegar na academia no ponto!

Preparei uma listinha das tendências das roupas de ginástica, bem como das roupas de ginástica que estão trabalhadas nas tendências! Entenderam? Então presta atenção enquanto aproveita pra fazer aquele alongamento ergonômico e endireitar a coluna na frente do PC:

1. Brilho

Não poderia deixar de ser diferente neste ano-balada. E assim como a wet legging, a wet jacket também garante aquele brilho molhado durante os exercícios.

2. Acinturado

3. Recortes

Recortes laterais, já sabemos, são o carro-chefe dentre as tendências dos recortes. Mas não só de recortes laterais vivem as tendências, como vimos nas fashion weeks, abrindo espaço para diversos outros pontos de destaque na roupa. E em se tratando de academia, recortes são sempre bem-vindos para garantir o frescor ou evidenciar aquele músculo trabalhado. Mas atenção para não cair no piriguetismo. Essa calça preta recortada da Victoria´s Secret mesmo requer bastante cautela!

4. Transparência e Não-transparência

5. Renda

6. Tênis de salto

Para o antes e o depois das atividades físicas. Principalmente para aquelas em que vc faz descalça! Boa pedida para chegar abalando na aula de pilates, antes de tirar o sapato (na frente de todo mundo, é claro).

7. Bichismo

8. Assimetria / Um ombro só/ Ombros de fora

9. Mangas especiais

Até a Gwyneth Paltrow que volta e meia vai malhar na tendência pijamismo, desta vez acertou com este look fabuloso. Difícil é malhar assim aqui no Brasil (na Bahia, vai). Calor não deixa.

10. Bandagem/ Drapeado

11. Cropped

As blusinhas, casaquinhos, calças curtas/de bainhas máxi cortadas.

12. Grafismo / Xadrez / Matelassê

13. Shorts estampados / hot pants

E até saias para corrida/running (é a aposta da Track & Field)! Se as hotpants são difíceis de usar pra vida, na academia (leia-se esporte na praia) fica fácil. E os shorts lindos, brilhantes, estampados, até a Katy Perry já incorporou à sua caminhada diária.

14. Brasil

Pode parecer demodé, mas quando estiver pertinho da Copa vcs vão desejar loucamente ir pra academia vestindo as cores da bandeira. Acreditem.

15. Mais tendências

Coletinho, decotão, trama, correntes, babado, zíper aparente, macaquinho, tricô, militarismo, são boas idéias para atualizar o look malhação.

Dica: trabalhar o corpo que veste a moda é tão importante quanto trabalhar a moda que veste o corpo.

Mas se vc não quer/não pode abrir mão do abadá, ao menos usa aquele todo trabalhado nas tendências, que vc aprendeu a fazer aqui, no carnaval passado. ;o)

Para as oncinha lovers, tá na hora de variar a tendência bichismo para domesticar outro animal: a cobra!

Ventos sopram trazendo essa vontade de usar tudo de cobra/naja/python! Estampa, colares, anéis, braceletes, bolsa, cinto, sapato, acessórios, biquini, lingerie… Cobrinha! Cobrinha! Cobrinha!

E não é por menos! Depois de um desfile-desejo do Alexander McQueen Spring 2010 Ready-to-wear, onde escamas, modelagens e até penteados (!) remetiam aos répteis, e depois da campanha do próprio McQueen com a modelete Raquel Zimmerman coberta de serpentes….

E que já no final do ano passado soubemos de uma coleção de jóias do casal Pitt-Jolie com design cheio de cobras, e de outras jóias e bijoux e até óculos que surgiram com esses detalhes maravilhosos….

E de sinais daqui e de lá das fashion weeks de que o python metalizado tá com tudo, e a Sienna Miller aparece num evento gringo de vestidinho venenoso, a capa da InStyle de novembro traz a Reese toda trabalhada na pele de cobra, a gente vai ligando os pontos, ainda que inconscientemente e… já queremos usar!!!!!

Reese na InStyle; frente-única da Lemon Light; cinto French Connection; Legging Sass & Bide (net-a-porter); lingerie e vestidos Just Cavalli; biquini Blue Man.

Daí que a estampa de cobra continua sexy, mas sem ser tão vulgar quanto a de oncinha, e ainda dá pra explorar algumas opções difíceis, como por exemplo no biquini da Blue Man, discreto na medida, ou na frente única da Lemon Light, sexy-rica!

É só dar uma olhadinha nos acessórios das grandes marcas para a Primavera lá fora (que seria na época do nosso outono), que já dá pra sair rastejando por um desses itens-desejo!

Em tempo: vale o clique no post antenado da Livia Facirolli com imagens absurdas (como só ela consegue!) dessa tendência!