Arquivo da categoria ‘Nomes da Moda’

Alessandra Garattoni veio à Salvador divulgar seu livro It Girls, em evento realizado na noite de ontem na Poire Paradoxus, multimarcas das grifes mais “it” do momento! Partindo do pressuposto de que It Girls são aquelas mulheres que inspiram as outras, seja no jeito de se vestir ou de se comportar, as it girls não deixam de ser trendsetters, ou seja, seguidoras não faltam para impulsionar uma tendência “lançada” por uma garota it.

Portanto, sobre as it girls e sobre a própria Ale, que inspira muitas meninas (cerca de 20.000 que liam o seu blog diariamente), confira a seguir os principais pontos abordados no evento, ou seja, dicas quentes para vc se inspirar:

  • It Girls x Patricinhas

Uma it girl é basicamente aquela garota que “sabe das coisas”. Seja no jeito de se vestir e/ou se portar, ela inspira outras garotas por onde passa. Mas, sendo assim, o que difere uma it girl de uma patricinha? A patricinha é um termo usado de forma pejorativa para aquelas meninas que têm tudo e que não buscam maiores ideais; vivem para o consumo e são alienadas aos assuntos não relacionados à moda/beleza/ e derivados. Já uma it girl, vai além, não é limitada como a patricinha. Ela não precisa estar restrita às futilidades, sendo que, na maioria das vezes, tem uma carreira, busca se desenvolver profissionalmente ou se engajar em outros projetos. Em outras palavras: uma it girl pode eventualmente ser uma patricinha, mas nem todas as patricinhas são it girls.

  • Tendências

Ale Garattoni não gosta de estar muito ligada às tendências “mais fortes”, pois passam rapidamente (a “maldição” do so-last-season, sabem?), preferindo, assim, peças mais clássicas. Por outro lado, ela acha que gostar de tendências é um ponto positivo, se elas te agradam. A “obrigação de não poder gostar das tendências só porque todo mundo gosta” é uma máxima que ela não adota. Gostou, usou, não gostou, não usou.

E qual das tendências atuais você não usaria, Ale? Bota branca! *Ale não curte o visual paquita. #traumadeinfância

  • It girls favoritas

Para Ale Garattoni, Jackie Onassis é o ícone de todos os tempos. Na atualidade, ela elege a Costanza Pascolato.

Jackie O., ícone de todos os tempos, e Costanza Pascolato, ícone da atualidade.

  • Espontaneidade

Espontaneidade é sempre chic. Mas bom senso é fundamental para que a espontaneidade não se torne falta de educação.

  • Democratização da moda

A internet tem facilitado a democratização da moda e isso é maravilhoso. Porém, o problema de “falta de estilo” da mulher brasileira não é a falta de informação, mas a falta de um preço democrático, de uma moda mais acessível. O que falta no Brasil são Topshops e H&Ms, e não estilo

  • Mini wedding

Quem acompanhava o blog It Girls, viu a “cobertura” do seu mini-it-wedding narrada no blog, desde os preparativos até os lugares que ela visitou na lua de mel! Mas afinal, é fácil fazer um mini-it-wedding sem se estressar com a lista fechada e inflexível de 50 convidados? Para Ale Garattoni, é muito mais fácil realizar um casamento íntimo, pois somente a família e os melhores amigos participarão, de modo que os demais “agregados” entenderão a cerimônia reservada. Bem diferente do que ocorre com um casamento grande, onde acontece o típico “se vc chamou um, tem que chamar o outro” e a lista vai aumentando..

*Quer dicas para um it chá de panelas? Clica aqui.

A it bride no dia do seu mini-it-wedding

  • Marcas nacionais favoritas

Mixed, Talie, Thelure, Cris Barros. Aliás, muitas dessas marcas podem ser encontradas na própria Poire Paradoxus.

*A propósito, o vestido que a Ale usava na noite do evento era Talie, porém, de verões passados, como frisou.

  • Estilistas

Coco Chanel é um ícone, se for considerado o contexto de quebra de paradigmas. Mas os novos estilistas americanos também têm chamado atenção, como o Jason Wu (o queridinho de Michelle Obama).

Estilista brasileira: Isabela Capeto. Ale Garattoni trabalhou com Isabela em 2003, e a admira pela sua contribuição para a moda.

  • 5 peças que refletem a personalidade da Alê

1 – Camisa de seda;
2 – Jeans;
3 – Bolsa[sss];
4 – Saia lápis;
5 – Jaqueta.
*Ou seja, invista sempre nos clássicos.
  • Estilo Alê Garattoni

Clássica e louca por acessórios. Um belo e grande anel é uma das suas peças favoritas.

O livro It Girls e o colar It Girls, quem lembra? Esse é meu!! ;o)

  • Wishlist

Se pudesse, um jatinho, para viajar para onde quisesse a hora que quisesse. Viajar é o seu maior desejo de consumo hoje.

Já na categoria moda, figura na sua wishlist a bota abertinha da Chanel, que ela postou recentemente no seu facebook.

Botinha Chanel no topo da wishlist!

  • It girls gordinhas

Se engana quem pensa que it girl é a modelete rica e famosa da vez. As it girls estão em todo lugar, no trabalho, na escola, na vizinhança. É aquela garota que é o máximo porque usa o melhor acessório de todos: a segurança. Portanto, seja gordinha, baixinha, fora do “padrão”, uma pessoa segura de si e que tem aquele brilho a mais (she´s got “it”) pode ser considerada uma it girl.

  • Vício

Coca-cola. Mas se só tiver Pepsi, pode ser? Podeeee! Kelly revelou em off que mais cedo, no almoço, Ale tomou Pepsi! A-ha!! 🙂

*Pela segunda vez em Salvador (a primeira vez foi no carnaval), Alê almoçou no restaurante Soho com Raquel Casagrande, da Paradoxus, e outras meninas. Dá uma conferida no burburinho que rolou, registrado pelas meninas do Tabuleiro Chic.

  • Crise do não-tenho-o-que-vestir

Ale relata que, de uns 10 anos para cá, esse impulso consumista foi diminuindo cada vez mais, junto com as crises de não saber o que vestir em frente a um guarda-roupa cheio de peças. Se tem a ver com as pesquisas sobre it girls e o “convívio” com looks maravilhosos? Certamente há influência. Verdade é que informação de moda ajuda muito a saber o que comprar e coordenar o que já se tem.

Alessandra Garattoni em noite de autógrafos na Poire Paradoxus, em Salvador

Imagens do evento e do colar: Caçadora de Tendências
Demais imagens: Reprodução

 Formada em turismo e pós-graduada em gestão de negócios, Carol Oliwe mostrou a que veio quando decidiu entrar para o mercado de acessórios há 5 anos! A primeira vez que conheci as peças da Carol foi ainda na época da faculdade, quando juntamente com todas as #itgirls da minha turma comecei a usar os brincos statement dessa talentosa designer. Os brincos eram maravilhosos e aos poucos fui conhecendo outras peças, como os colares e as pulseiras. Mas só recentemente tive a oportunidade de conhecer a Carol e o seu atelier e ver de perto mais do seu trabalho que, além dos brincos, colares e pulseirinhas, ainda tem bolsas, mochilas, acessórios para cabelo, enfim, tudo aquilo que promete (e cumpre!) dar um up no visual! Vamos conhecer um pouco mais da designer-trendsetter baiana:

1. Como designer de acessórios, qual a sua relação com as tendências? Qual a influência delas no seu processo criativo?

Bom, na minha criação sigo tendências sim…, pesquiso em revistas, internet, informativos… e de pequenos detalhes saem grandes idéias. E apesar de estar sempre antenada nas novidades, sempre crio na minha coleção um item exclusivo meu, que tenha a ver com o meu estilo e das minhas clientes! Gosto muito de trabalhar com o produto mais artesanal, e nisso que está o meu diferencial.

2. E no papel de consumidora, qual a relação com as tendências de moda?

Adoro estar na moda!!! Sigo tendência mesmo! Uso e abuso de tudo! Não tenho medo de ousar!

Super ligada na moda, Carol segue e lança tendências! No detalhe, pulseiras da marca compondo o look.

3. Você usa acessórios para ir malhar e para ir à praia?

Para ir malhar uso quase nada, no máximo uma correntinha curtinha e um brinquinho pequeno. Já para ir à praia uso sim! Pode ser colares, pulseiras ou brincos…

Invista nos acessórios certos para ir à academia e à praia... e arrase!

4. Qual é a sua extravagância necessária?

Minha maior extravagância é consumir demais! Por gostar de estar sempre na moda, sempre estou buscando uma novidade, seja nas minhas criações como no que vestir! 

5. Qual peça você elegeria como hit do verão 2010/11?

Acredito que as pulseirinhas de crochê com certeza! Tem de todas as cores, e ficam lindas várias juntas! Não tenho uma cliente que vá ao meu ateliê e não leve pelo menos uma!

As pulseirinhas de crochê - Hits para o verão 2010/11!

Dizem por aí que os anos 90 são os novos anos 80, em termos de referências de moda para a década de 2010. Parece confuso? Muitas décadas juntas numa só oração? Então que tal acrescentar os anos 40, 50, 60 e 70? Too much information? Mas é justamente essa salada de referências passadas que estamos vivenciando na moda de hoje.

Fotografia de moda de 2010

Da década de 40 voltou com força o militarismo, os espartilhos, o tweed. Uma das mais recentes coleções da Louis Vuitton remete à década de 50, assim como a feminilidade ladylike, a silhueta de cintura fina seguida de saia bem rodada e longa, alternando com a saia lápis, o tailleur, os vestidos arquitetônicos, as plumas e os paetês. Já de referências sessentistas temos as flores nos cabelos, um quê de futurismo, o coque alto na cabeça à la Brigitte Bardot. Da década de 70 visualizamos o tie-dye, o étnico, a força do jeans, as jaquetas de couro, o natural look (maquiagem com cara de não-me-maquiei) que foi desfilado na última SPFW como tendência para este verão, o tricô. No âmbito dos anos 90 temos a volta do minimalismo, a camisa xadrez do grunge, o glamour jet-setter (Tom Ford dos anos 90), a exuberância barroca. E a própria década de 80 continua mostrando o ar da graça com o espírito aeróbico através de uma moda mais esportiva, tornezeleiras, ou melhor, polainas (!), o navy e o estilo sagrado e profano ditado pela Madonna, dentre outras TANTAS referências de todas essas décadas.

Afinal, dá pra se falar em “novos anos 80” com tantas referências intertemporais?

Em palestra intitulada “Trinta anos de moda no Brasil – um olhar“, conduzida durante o Barra Fashion Mall, a jornalista Marília Scalzo abordou, além da história da moda brasileira a partir da década de 80, as conexões dessa moda com cultura e comportamento, destacando o surgimento das tribos e como estas evoluíram até os dias de hoje. Após palestra, conversei com a jornalista sobre algumas conclusões que poderiam ser auferidas a partir de tais informações e contextualizá-las aos dias de hoje.

A jornalista Marília Scalzo palestra sobre história da moda no Brasil - Barra Fashion Mall

Pois bem, segundo Marília Scalzo apresentou, as tribos ganharam destaque na década de 80. Bem definidas, cada indivíduo pertencente a uma tribo era facilmente identificável. Todavia, com a evolução do mundo e da sociedade, a velocidade da informação (principalmente da informação de moda) aproximou a convivência dessas tribos de tal modo que nas décadas seguintes já era possível perceber a presença de variadas tribos num só indivíduo: multifacetado, “pluri-estilizado”! A “patricinha” de dia poderia virar uma funkeira à noite, dentre outros aparentes paradoxos que já não são estranhos aos nossos olhos. E hoje já é até muito comum identificar a presença de várias tribos num só look!

Daí porque se pararmos para entender tantas referências a diferentes décadas do passado, percebemos que estas podem conviver na moda tal como as tribos: cada uma contribuindo com o melhor que tem para oferecer.

E por que a moda de determinada década volta? Qual a necessidade dos anos 80, 90 ou qualquer outra década voltar a ser “tendência” de moda?

Segundo Marília, coisas boas do passado sempre voltam pelo simples fato de que elas são boas e, portanto, sempre aproveitáveis. As referências do passado vão e voltam, conforme a necessidade de moda de determinado contexto. Assim, no pós anos 90 não se podia mais ouvir falar em minimalismo – de tão minimalista que foi a moda deste período – e hoje, após um período de descanso (leia-se: uma década!), o minimalismo volta para agradar novamente os olhos cansados dos excessos da década anterior.

Campanhas recentes da Prada, Louis Vuitton e Guess

Assim, os anos 90 podem até serem os novos anos 80, mas não estão sozinhos nessa caminhada: a convivência com as diversas referências do passado se faz presente e é cada vez mais uma tendência para a moda: o convívio de “tribos e referências” num só contexto.

E pra fechar de uma forma filosófica, uma revelação bombástica: nem anos 90, nem anos 80, nem nada: tudo o que volta retorna com novos olhares – os olhares de 2010! Portanto se você acha que vai voltar a usar a modinha dos anos 50, esqueça! E aquele seu moletom do Planet Hollywood e a bolsinha estilo mochilinha que você guardou com tanto carinho no maleiro na esperança de usá-los novamente? Cesta de doação djá! A não ser que você queira incorporar o estilo vintage ao seu look, que não necessariamente te deixará “na moda”! O que passou não volta igual, e tudo o que usamos hoje, por mais grunge (90), punk (80) ou hippie (70) que seja, é uma moda exclusiva de 2010!

Pobres consumidores…

A mulher de ontem e a mulher de hoje

Algumas referências históricas: Guia Fashion Iguatemi; Comunidade Moda anos 40 e anos 60.

 Uma das estrelas da noite de ontem no Barra Fashion Mall foi a modelo e co-apresentadora do GNT Fashion Mariana Weickert. Mariana foi muito aplaudida no desfile da Alphorria com dois looks de festa super atualizados nas tendências do verão. 

Mariana Weickert para Alphorria

 Após o desfile, Mariana recebeu imprensa e convidados na loja da Alphorria, onde conversamos sobre aquilo que todo mundo aqui quer saber: tendências, é claro! 

Caçadora de Tendências – Qual é a peça must have para este verão? 

Mariana Weickert – Vou puxar a sardinha para o meu lado: os biquínis da minha própria marca!!! Gosto de todos eles e vou usar muito! 

*A marca de biquínis da Mariana é a Alór, idealizada em parceria com a amiga, também catarinense, Francine Taulois. Uma das tendências de verão que está aparecendo bastante na coleção dos biquínis da marca é o navy

Ô, guria! 

   

Biquínis Alór já na tendência "navy"

 CT – E qual das tendências do verão que você não vai aderir? 

Mariana Weickert – Salto anabela! 

CT – Por quê? 

Mariana Weickert – Porque sou muito alta e não gosto muito. 

As espadrilles figuram como a principal tendência dentre as anabelas do verão

 CT – Existe alguma peça que você usa independentemente de tendências? 

Mariana Weickert – O jeans! Jeans é básico, uso pra tudo! 

Mariana usando o jeans em diversos momentos, short, calça, camisa, inverno, verão, primavera

 Sobre o novo formato das fashion weeks, considerando o formato mais acessível do Barra Fashion Mall, Mariana elogia e afirma que o acesso à informação de moda é diferente do acesso limitado às tendências de moda. “Informação é democrática, tendências não!” – conclui. 

Foco nos detalhes do look pós-desfile da fashionista

Ontem teve desfile itinerante no meio do shopping, flash mob na arena, palestra sobre os 30 anos de moda no Brasil com a jornalista Marília Scalzo, desfile da Alphorria, comemoração nas lojas que participaram do “desfile mall” (fotos da Vivire e da Io, abaixo) e, como sempre, muita badalação! Está pra sair do forno muito post bacana sobre nossa fashion week baiana! Mas entre um desfile e outro, confiram alguns flashes do burburinho do segundo dia de Barra Fashion Mall!

A convite do Shopping Barra e da Santa Clara Comunicação, fui caçar tendências no Barra Fashion Mall! O primeiro dia de desfiles foi bastante agitado com direito a desfile de novos talentos, desfile de jóias do Carlos Rodeiro, exposição de fotos e muita badalação. Confiram o que o pessoal da moda e formadores de opinião pensam quando o assunto é #tendências:

Ildi Silva

(Atriz)

Caçadora de Tendências Ildi, você segue tendências?

Ildi – Sim! Adoro!!

A Ildi gosta de se inspirar nas revistas, mas sempre adaptando as tendências ao seu estilo!

CT – Peça must-have para o próximo verão?

Ildi Muuuita renda!!!

Renda nas cores preta, nude, e tons pastéis serão a aposta da Ildi para os seus looks que, afirma, já comprou dois vestidos na tendência! Assimetria e o estilo ladylike também figuram no seu guarda-roupa de verão.

Fernando Torquatto

(Maquiador, fotógrafo e consultor de estilo)

CT – Em se tratando de maquiagem, quais são as tendências para este verão?

TorquattoNas cores: tons pastéis (amarelinho, verdinho, cores de cupcake!), azul elétrico, dourados, bronzes e marrom cintilante.

O rosa pálido ou nude para os lábios serão tendência. O batom vermelho “vivo”, mais aceso, também entra em cena, combinado com os olhos nos tons dourado ou bege.

CTCombinar batom com o look pode?

TorquattoCombinar o batom na mesma cor do look ainda é over, mas com essa moda dos anos 60 isso está voltando, porém o ideal é não colocar o batom na mesma cor da roupa, e sim variar os semitons dentro da mesma cor.

CTO batom é a nova sombra?

TorquattoMercadologicamente falando, o batom tem mais poder do que a sombra – compra-se mais batons do que sombra. Portanto, o batom é sempre um item essencial na maquiagem da mulher brasileira.

CTMas em se tratando de cores, há muito mais variedades hoje. Será que essa tendência dos batons roxos, que estão bombando nos editoriais das revistas de moda, pega aqui no Brasil?

TorquattoSim, o berinjela é uma cor de batom boa que está voltando a usar. Mas não é para qualquer uma – tem que saber usar e não é com todo mundo que combina.

CTO que está out em termos de maquiagem? Ou para maquiagem vale-tudo?

Torquatto Batom muito metalizado está out. O tipo de brilho mais atual tende para um acetinado ou no máximo gloss com partículas de brilho.

Lucy Horn

(Modelo)

CTQual é a peça must-have para este verão?

LucyCouro!!!

A Lucy ama couro, inclusive no verão, e aposta nesta tendência como peça must-have do seu guarda-roupa.

CTE o que vc jamais usará?

LucyPantalona! Apesar dessa moda estar voltando, não combina comigo!

Henri Castelli

(Ator)

CTVocê segue tendências?

HenriNa verdade, minha mulher que me ajuda a estar atualizado nas tendências!!

O Henri, apesar de não estar super ligado nas tendências, mostrou que para ter estilo é preciso estar aberto à moda.

CTVocê desfilou para o Carlos Rodeiro, designer de jóias baiano. Você costuma usar jóias?

HenriPrefiro presentear com jóias, mas adorei a “fitinha” do Senhor do Bonfim prateada que usei no desfile.

Leila da Cruz

(Estilista baiana vencedora do Novos Talentos 2009)

CTVocê segue tendências?

LeilaUma coisa ou outra, pois sempre estou com os radares ligados para o que está acontecendo, mas prefiro enxergar as tendências como uma inspiração.

CT No desfile da sua coleção vimos muito voilette enfeitando as modelos, que está se usando muito nos editoriais de moda. Foi neles que você se inspirou?

LeilaNa verdade me inspirei numa vitrine, onde vi esse voilette e achei que tinha tudo a ver com a minha coleção, onde associei a uma colheita e essa “rede” acolheria todas essas referências.

Carlos Rodeiro

(Joalheiro)

CTAo criar suas peças, você segue tendências?

RodeiroSim!! Esta coleção mesmo veio muito colorida para o verão, apostei no mix de materiais, como a turquesa com brilhantes e o coral com o rubi.

Carlos Rodeiro super antenado nas tendências! Se o “mix de texturas” está em alta nas roupas, o “mix de materiais” é uma tendência forte para os acessórios!

 

 Essa semana vocês ainda conferem aqui no blog muito mais de BF Mall! Stay connected! ;D

A marca baiana Di Sampaio, da estilista Thaiana Sampaio, completou um ano em evento realizado nesta terça-feira com uma coleção inspirada “No Fim do Arco-íris”. Cheia de brilho, paetês e ombros decorados, a nova coleção está bastante antenada com as tendências de moda que estão chegando com tudo para este inverno.

O blog foi conferir de perto esta coleção e entrevistar a estilista, sempre de olho nas tendências, é claro!

1 – Como estilista, qual a sua relação com as tendências? Qual a influência delas no seu processo criativo?

“De fato tenho que acompanhar tudo o que rola na moda, pois a moda é muito mutável, instável, portanto uma coisa que hoje é estilosa e moderna amanhã pode ser brega…”.

Completa a estilista que o seu processo criativo não se detém apenas a tendências de revistas, sites e blogs, e fala um pouco sobre a inspiração desta última coleção: “para essa coleção me inspirei muito na minha cidade. O brilho do sol no mar, as cores das pessoas, das árvores e das flores da cidade foram uma das minhas inspirações e referências durante a criação, permeada pela simbologia de sorte do arco-íris”.

2 – E no papel de consumidora, qual a sua relação com as tendências de moda?

“Não sou nem um pouco consumista. As únicas coisas pelas quais sou louca, desesperada, são sapatos e bolsas… Deu para perceber no meu acervo do desfile, né?” (Thaiana tem uma coleção incrível de botas! Praticamente a Sea of Shoes baiana!).

“Faço muito mais compras inteligentes do que por compulsão! Claro que às vezes quero fugir um pouco do estilo Di Sampaio, então invisto em peças que me deixam bonita e confortável!! As pessoas aqui na Bahia tedem a rotular um determinado estilo por fugir do óbvio… Gosto de coisas diferentes, gosto de usar o que ninguém ou quase ninguém tem…Sigo o meu estilo e a minha tendência!”

3 – Já enquanto psicóloga trabalhando com uma moda atual e irreverente, como vc traçaria o perfil do usuário de Moda na Bahia? Ainda existe resistência à aceitação do novo? (Além de ser estilista, Thaiana é formada em psicologia)

“Se as pessoas usassem o que elas queriam, seriam muito mais felizes! Mais elas têm medo de usar, de ousar, de criar uma identidade e personalidade própria. As pessoas têm medo de serem criticadas”.

4 – Qual peça você elegeria como hit do inverno 2010?

“Saia de cintura alta, peças acinturadas, ombros marcados, tachas, todos os tipo de botas (Ankle boots, coturnos etc.) e muito brilho!!”

Imagens do desfile da Di Sampaio em parceria com a Mais Bonita Acessórios

5 – Ícone trendsetter:

“Haaa, tenho várias inspirações… Alexa chung, as irmãs Olsen, Rumi Neely, Olivia Palermo, Kate Moss”.

Trendsetters