Arquivo da categoria ‘Bahia’

Alessandra Garattoni veio à Salvador divulgar seu livro It Girls, em evento realizado na noite de ontem na Poire Paradoxus, multimarcas das grifes mais “it” do momento! Partindo do pressuposto de que It Girls são aquelas mulheres que inspiram as outras, seja no jeito de se vestir ou de se comportar, as it girls não deixam de ser trendsetters, ou seja, seguidoras não faltam para impulsionar uma tendência “lançada” por uma garota it.

Portanto, sobre as it girls e sobre a própria Ale, que inspira muitas meninas (cerca de 20.000 que liam o seu blog diariamente), confira a seguir os principais pontos abordados no evento, ou seja, dicas quentes para vc se inspirar:

  • It Girls x Patricinhas

Uma it girl é basicamente aquela garota que “sabe das coisas”. Seja no jeito de se vestir e/ou se portar, ela inspira outras garotas por onde passa. Mas, sendo assim, o que difere uma it girl de uma patricinha? A patricinha é um termo usado de forma pejorativa para aquelas meninas que têm tudo e que não buscam maiores ideais; vivem para o consumo e são alienadas aos assuntos não relacionados à moda/beleza/ e derivados. Já uma it girl, vai além, não é limitada como a patricinha. Ela não precisa estar restrita às futilidades, sendo que, na maioria das vezes, tem uma carreira, busca se desenvolver profissionalmente ou se engajar em outros projetos. Em outras palavras: uma it girl pode eventualmente ser uma patricinha, mas nem todas as patricinhas são it girls.

  • Tendências

Ale Garattoni não gosta de estar muito ligada às tendências “mais fortes”, pois passam rapidamente (a “maldição” do so-last-season, sabem?), preferindo, assim, peças mais clássicas. Por outro lado, ela acha que gostar de tendências é um ponto positivo, se elas te agradam. A “obrigação de não poder gostar das tendências só porque todo mundo gosta” é uma máxima que ela não adota. Gostou, usou, não gostou, não usou.

E qual das tendências atuais você não usaria, Ale? Bota branca! *Ale não curte o visual paquita. #traumadeinfância

  • It girls favoritas

Para Ale Garattoni, Jackie Onassis é o ícone de todos os tempos. Na atualidade, ela elege a Costanza Pascolato.

Jackie O., ícone de todos os tempos, e Costanza Pascolato, ícone da atualidade.

  • Espontaneidade

Espontaneidade é sempre chic. Mas bom senso é fundamental para que a espontaneidade não se torne falta de educação.

  • Democratização da moda

A internet tem facilitado a democratização da moda e isso é maravilhoso. Porém, o problema de “falta de estilo” da mulher brasileira não é a falta de informação, mas a falta de um preço democrático, de uma moda mais acessível. O que falta no Brasil são Topshops e H&Ms, e não estilo

  • Mini wedding

Quem acompanhava o blog It Girls, viu a “cobertura” do seu mini-it-wedding narrada no blog, desde os preparativos até os lugares que ela visitou na lua de mel! Mas afinal, é fácil fazer um mini-it-wedding sem se estressar com a lista fechada e inflexível de 50 convidados? Para Ale Garattoni, é muito mais fácil realizar um casamento íntimo, pois somente a família e os melhores amigos participarão, de modo que os demais “agregados” entenderão a cerimônia reservada. Bem diferente do que ocorre com um casamento grande, onde acontece o típico “se vc chamou um, tem que chamar o outro” e a lista vai aumentando..

*Quer dicas para um it chá de panelas? Clica aqui.

A it bride no dia do seu mini-it-wedding

  • Marcas nacionais favoritas

Mixed, Talie, Thelure, Cris Barros. Aliás, muitas dessas marcas podem ser encontradas na própria Poire Paradoxus.

*A propósito, o vestido que a Ale usava na noite do evento era Talie, porém, de verões passados, como frisou.

  • Estilistas

Coco Chanel é um ícone, se for considerado o contexto de quebra de paradigmas. Mas os novos estilistas americanos também têm chamado atenção, como o Jason Wu (o queridinho de Michelle Obama).

Estilista brasileira: Isabela Capeto. Ale Garattoni trabalhou com Isabela em 2003, e a admira pela sua contribuição para a moda.

  • 5 peças que refletem a personalidade da Alê

1 – Camisa de seda;
2 – Jeans;
3 – Bolsa[sss];
4 – Saia lápis;
5 – Jaqueta.
*Ou seja, invista sempre nos clássicos.
  • Estilo Alê Garattoni

Clássica e louca por acessórios. Um belo e grande anel é uma das suas peças favoritas.

O livro It Girls e o colar It Girls, quem lembra? Esse é meu!! ;o)

  • Wishlist

Se pudesse, um jatinho, para viajar para onde quisesse a hora que quisesse. Viajar é o seu maior desejo de consumo hoje.

Já na categoria moda, figura na sua wishlist a bota abertinha da Chanel, que ela postou recentemente no seu facebook.

Botinha Chanel no topo da wishlist!

  • It girls gordinhas

Se engana quem pensa que it girl é a modelete rica e famosa da vez. As it girls estão em todo lugar, no trabalho, na escola, na vizinhança. É aquela garota que é o máximo porque usa o melhor acessório de todos: a segurança. Portanto, seja gordinha, baixinha, fora do “padrão”, uma pessoa segura de si e que tem aquele brilho a mais (she´s got “it”) pode ser considerada uma it girl.

  • Vício

Coca-cola. Mas se só tiver Pepsi, pode ser? Podeeee! Kelly revelou em off que mais cedo, no almoço, Ale tomou Pepsi! A-ha!! 🙂

*Pela segunda vez em Salvador (a primeira vez foi no carnaval), Alê almoçou no restaurante Soho com Raquel Casagrande, da Paradoxus, e outras meninas. Dá uma conferida no burburinho que rolou, registrado pelas meninas do Tabuleiro Chic.

  • Crise do não-tenho-o-que-vestir

Ale relata que, de uns 10 anos para cá, esse impulso consumista foi diminuindo cada vez mais, junto com as crises de não saber o que vestir em frente a um guarda-roupa cheio de peças. Se tem a ver com as pesquisas sobre it girls e o “convívio” com looks maravilhosos? Certamente há influência. Verdade é que informação de moda ajuda muito a saber o que comprar e coordenar o que já se tem.

Alessandra Garattoni em noite de autógrafos na Poire Paradoxus, em Salvador

Imagens do evento e do colar: Caçadora de Tendências
Demais imagens: Reprodução

Anúncios

Março é o “mês” da mulher. Desde a revolução feminista (segunda onda), as mulheres têm ganhado cada vez mais espaço no mercado de trabalho, galgando altos postos, mais direitos e também mais responsabilidades. Esse marco histórico abriu espaço para as mulheres da chamada geração X (décadas de 60-80) enfrentar barreiras e conquistar estes campos, antes dominados pelos homens. A ombreira e o terninho foram adotados na tentativa de trazer seriedade, poder e profissionalismo para elas. Daí veio a geração Y (década de 80), que vivenciou o surgimento da internet, das redes sociais, do rompimento de fronteiras globais, marcada pela ambição e pelas possibilidades reais de subir rapidamente na carreira, deixando o mercado de trabalho muito mais dinâmico, muito mais veloz, e a informação, inclusive de moda, começou a se disseminar.

Hoje, gerações X e Y, ambas no mercado de trabalho, são as principais consumidoras das grandes marcas de luxo no universo fashion. E é a elas a quem a moda tem se dirigido nas suas recentes criações e tendências: o Office Vibe. Chega de se igualar ao homem na forma de se vestir para o trabalho. Dá para tornar a roupa de escritório mais feminina? E daí que milhares de estilistas buscam reinventar a camisa social, a alfaiataria, o colete, o blazer. O desfile do Viktor & Rolf (coleção Spring/Summer 2011), em Paris, foi um (dos tantos!) que buscou brincar com este conceito.

A "working girl" é tema dos principais editoriais de moda pelo mundo

E você achando que a camisa social (que tem transitado entre o look do trabalho e da festa) é tendencinha de verão?! Tsc! A camisa é apenas um expoente de toda essa macro-tendência! 

Camisa social em alta - tá se usando até com shortinho.

Mas daí vêm as gerações Z (década de 90) e Alpha (2010 em diante). Os dispositivos móveis, a conexão 24/7, sobrecarga de informação, mais trabalho, mais consumo. Como será a moda para essas gerações? Certamente, ainda mais flexível. Muitas referências serão incorporadas à “roupa do escritório”, bem como o office vibe invadirá a praia e a balada. Isso é o que já estamos vivenciando, ainda engatinhando, mas em breve será disseminado e aceito naturalmente por grande parte da sociedade. É o que já vimos no post sobre o novo jeans, que pode ir até ao escritório, ou no post sobre o blazer que vai à praia. Num mundo onde o escritório está na palma da sua mão (o espaço físico perde a relevância), e a sua disponibilidade é total, estar “pronta” é lei. E esse estar pronta passa a ser flexibilizado: chega de excessos de formalismos, mas também, chega de excessos de informalismo em outras diversas ocasiões da vida. 

Camisa jeans no escritório, já pode?

E para homenagear essas gerações de mulheres que vêm marcando mudanças em diversas áreas do conhecimento, o prêmio Barra Mulher 2011 aconteceu essa semana no Shopping Barra (Salvador), homenageando mulheres baianas de destaque, seja na área jurídica, na moda, nos esportes, no jornalismo, enfim, em diversas áreas, cada uma com a sua contribuição para a sociedade.

Troféu Barra Mulher 2011, criado por Evannez Python. Imagem: Débora Paes

Homenageadas Barra Mulher 2011. Imagem: Débora Paes.

Parabéns para elas! Parabéns para nós!

Viviane Araújo para o Rio Samba e Carnaval deste ano

Foi-se o tempo em que carnaval era considerado uma festa “campo de batalha”, onde tênis, abadás picotados, nada de acessórios para não se machucar e maquiagem zero eram a chave do sucesso. E ainda assim, ao final da festa estava todo mundo descabelado, a cara da derrota! Com o glamour de muitos camarotes, e até mesmo alguns blocos mais específicos que restringem a quantidade de foliões e oferecem um tratamento mais diferenciado, carnaval virou sinônimo de balada chic. Nessa esteira, o abadá, até então fator de “agrupamento“, passou a ser o ponto forte da diferenciação dentro da folia. Claro que abadá picotado é o que não falta por aí, mas se você quiser brilhar, fique de olho nesse post!

Tem foto do ano passado, do ano retrasado, da semana passada, mas todas bem atuais para se inspirar para a folia. Enfim, tem abadá glam pra todo gosto, e se uma imagem vale mais do que mil palavras, mil imagens então nem se fala, né? VEM GENTE! 

Esse abadá da Carolina Ferraz tá puro luxo! Não tem barriguinha tanquinho saradíssimo de fora que supere. Aliás, barriga de fora mesmo no carnaval já deu né?

E se antes a saia era vista com maus olhos no meio da folia, onde imperavam os shorts (quase sempre jeans), hoje transformar abadá em (micro) vestido já é wishlist entre as carnavalescas mais antenadas. É feminino, é tudo de bom e você se destaca na “multidão”. E outra, pular pra se acabar estando num super camarote? Quem vai?! Aproveite que isso não vai acontecer e se jogue no salto pra deixar tudo ainda mais elegante!

A dica para customizar seu abadá e transformá-lo num vestidinho é pedir um abadá extra-grande, de preferência masculino, o que lhe permite pano extra! Esse vestido tomara-que-caia justinho da Bárbara Paz é o mais básico que dá para fazer com abadá. Mas existem outros recursos que permitem a costura de um vestido mais original, como o uso de outros tecidos para complementar (o famoso retalho!).

Juliana Paes foi uma das musas dos abadás do carnaval passado. Ela se arrumou como se fosse para a balada mesmo, e se jogou nas tendências do momento para ficar linda e atualizada.

A lingerie que a Ju Paes usou aparente no camarote da Brahma é um tanto perigosa. Sugiro usar um top especial (brilhante, de pedras, flúo), para evitar derrapar na produção. Acredito que o que garantiu o look da Juliana foram as demais peças escolhidas, saia, salto, maquiagem, tudo no melhor estilo pin-up, que não deixaram a lingerie cair na vulgaridade.

Outro truque que pode dar um upgrade no seu abadá é o uso de bojo, para dar certa estrutura e uma sensação de “arrumadinho”. E os acessórios também têm o seu charme. Mas nada daquelas pulseironas prateadas batendo uma na outra e aquele argolão de strass piriguete. Procure acessórios “fashionistas” para garantir um visual moderno. Esse colar que Juliana Paes usou no Camarote Rio, Samba e Carnaval estava super em alta e ficou maravilhoso!

E se tivesse um troféu de carnavalesca trendsetter no quesito abadá, quem levaria seria a Paola Oliveira! Antenadíssima nas tendências que até hoje estão em alta, Paola deu um show de figurino! Lembram da moda das roupas de um ombro só? Foi tendência apresentada pelas passarelas internacionais referente ao inverno 2010, e já em fevereiro do mesmo ano Paola antecipou a tendência, que hoje, obviamente, continua em alta!

O vestido tubinho foi uma alternativa clássica e chic aos vestidos de abadá.

O penteado “Beyoncé” estava em alta e valorizou o look. Apostar em um penteado atual é a garantia do sucesso! ;D

Gola alta também foi uma das tendências apresentadas nas passarelas internacionais para o inverno 2010, e Paola também já havia se antecipado! O que mais impressiona é o decote fenda que ela usou, e que apareceu ainda mais forte agora na NYFW para o inverno 2011! É ou não é uma trendsetter?

E mais impressionante ainda foi este abadá da Paola: a tal da “não”-transparência mostrando o seu colo (SPFW inverno 2010) e o famoso “Poá 3D”, que são aquelas pequenas esferas que foram aplicadas na parte transparente. A dica para continuar na tendência, então, é apostar nas micro esferas, ou poá 3D, como ficou conhecido na última SPFW. E a trança giga lateral era o penteado do momento!

Paola em outros anos, sempre dando um show de abadá!

A dica aqui para você que não é a musa do camarote e não recebe pano extra para fazer seu vestidinho de abadá é misturar tecidos ao abadá para poder “aumentar” o seu tamanho e ter mais opções de customização, como fez a Monique Evans com o tecido na cor branca que combinava com o abadá verde estampado. Outra opção é usar o micro-vestido e apostar nos acessórios para deixar o visual ainda mais poderoso. E se o seu caso é abadá tamanho baby-look e falta de tempo, tem a opção da Monique Evans usando o abadá por cima de um vestido! Ficou bem charmoso.

A mesma idéia da Monique Evans, abadá por cima de vestido. Fica muito bom:

Só tem esse abadá da Pepsi, pode ser? 🙂

Outra adepta ao vestidinho foi a Preta Gil. E para arrematar, sapato brilhante! Brilho é sempre muito bem-vindo ao carnaval, ainda mais agora que a moda anda cheia de brilho. Querem uma dica? Apostem esse ano nos shortinhos de paetês! Estão super em alta.

Paris Hilton também foi de sapato brilhante, abadá customizado em vestido, fascinator no cabelo, gargantilha (continua em alta), e vale observar o detalhezinho na barra do vestido e na cintura.

Os acessórios e complementos pretos e brilhantes trouxeram modernidade e glamour ao outro modelo de abadá usado por Paris Hilton para o Camarote Devassa.

Adriane Galisteu é outra adepta do vestido de abadá, e foi mais uma trendsetter que apostou no sapato brilhante para cair na folia. Tá lindo esse modelo balonê.

E os outros vestidos usados por Adriane (foco nos acessórios):

Carol Dieckmann se jogou na Chanel sem medo de ser feliz. Não sei se ela vai escoltada para o camarote, mas acho que aqui em Salvador não ia rolar. O abadá tá lindo, o top flúo garantiu descontração sem riscos (no caso de optar por uma lingerie à la Juju Paes), e os ombros marcados eram o auge da moda. Ainda é. Esse modelo da Carolina Dieckmann bebeu na fonte desse vestido do Jefferson Kulig da SPFW inverno 2010

Grazi Massafera de calça só teve perdão por causa do modelo de abadá escolhido. Bonito e interessante. E o brinco enorme que não precisa ser argolão-strass-piriguete. Tá linda.

Mas o melhor look de Grazi foi esse:

Franciely Freduzeski com outra opção de vestido para vocês se inspirarem, e esse colete lindo, que não foi abadá de carnaval, mas foi abadá de festa e tá valendo! Não basta fazer um colete – tem que ser um belo colete! E esse tá de parabéns.

Falando em coletes, olha aí outros modelos, nem tão bonitos quanto o da Fran, mas uma opção de look diferente para o seu abadá de todo dia. O bloco Cerveja & Cia, de Ivete Sangalo, ano passado trouxe modelos de abadá kimono inspired! Muito interessante, adorei quando encontrei foliões na rua vestidos assim. Fica só a ressalva que não é possível cortar o logo do bloco/camarote, portanto muito cuidado ao tentar transformar seu abadá em colete/kimono all by yourself. A dica é fazer que nem a Camila Pitanga e jogar o logo para o verso.

Mas você, menina sem dom para a costura e sem tempo para a costureira, pode também apelar para um coletinho do seu armário e usar com o abadá! Olha os exemplos de sucesso:

Foto bem antiga, Cláudia Leitte de macacão. E como os macacões continuam em alta, vale a pena ver de novo. Vale a pena investir num macaquinho também! Calça comprida, sei lá, não combina com o agito.

Cropped e franjas estavam e continuam em alta. Thaila Ayala, nossa BF, teve uma idéia genial! Ao invés de apenas ficar no cropped, usou uma blusinha de franjas por baixo e criou um look bem interessante!

Luana Piovani confirma a tendência do sapatinho brilhante para o carnaval! E você, não vai usar não? Ó você errada..

Um dos the best abadás ever foi esse da Maria Fernanda Cândido. Que sucesso hein? Também quero ser miss! Eu ainda jogaria uma coroazinha prateada no cabelo, e aí vocês poderiam me chamar de princesinha do Harém.

Ok, você comprou seu abadá de última hora no cambista e só lhe resta picotá-lo. Tudo bem. Faça como a Fernanda Lima. Vá com um penteado glamour digno de red carpet!

Ou então aposte em outros acessórios capilares!

Outros modelos usados por Christine Fernandes, Luiza Brunet, Ellen Jabour e Fran Zanon, para inspiração. As sandálias de amarrar no tornozelo também foram bem requisitadas no carnaval. E esse ano? Vai de oxford? Eu apostaria na máxi-anabela que tá super em alta! Ou nas open boots que ainda estão na modinha e são bem modernetes!

Mais modelos beeem fashionistas! Plumas, penas, decote nas costas com aplicações lindas (decote nas costas é o must-have hoje), ombros valorizados.. nem lembro onde peguei essas fotos, mas tem alguma coisa a ver com Vogue e Casa de Criadores, ou seja, só gente fashionista e formadora de opinião. Olha a Chiara Gadaleta lá!

Só cabe uma ressalva: muito cuidado no trajeto para o camarote. A não ser que vc seja a primeira a chegar e a última a sair, salto agulha no meio da Ondina vai ser tenso.. recomendo um salto mais grossinho, e de preferência que não seja novo. Ano passado minha sandália saiu direto do camarote pro lixo (tudo culpa do trajeto)!

Se quiserem mais idéias, tem o post do ano passado!

E por favor, nada de aplique de florzinha e fitinha do senhor do bonfim na customização do abadá!!!!! SOOOO last century!

Depois do carnaval o blog volta com as tendências de moda de Londres, Milão e Paris.

Bom carnaval!

Imagens: Reprodução
Montagens: Caçadora de Tendências

 Formada em turismo e pós-graduada em gestão de negócios, Carol Oliwe mostrou a que veio quando decidiu entrar para o mercado de acessórios há 5 anos! A primeira vez que conheci as peças da Carol foi ainda na época da faculdade, quando juntamente com todas as #itgirls da minha turma comecei a usar os brincos statement dessa talentosa designer. Os brincos eram maravilhosos e aos poucos fui conhecendo outras peças, como os colares e as pulseiras. Mas só recentemente tive a oportunidade de conhecer a Carol e o seu atelier e ver de perto mais do seu trabalho que, além dos brincos, colares e pulseirinhas, ainda tem bolsas, mochilas, acessórios para cabelo, enfim, tudo aquilo que promete (e cumpre!) dar um up no visual! Vamos conhecer um pouco mais da designer-trendsetter baiana:

1. Como designer de acessórios, qual a sua relação com as tendências? Qual a influência delas no seu processo criativo?

Bom, na minha criação sigo tendências sim…, pesquiso em revistas, internet, informativos… e de pequenos detalhes saem grandes idéias. E apesar de estar sempre antenada nas novidades, sempre crio na minha coleção um item exclusivo meu, que tenha a ver com o meu estilo e das minhas clientes! Gosto muito de trabalhar com o produto mais artesanal, e nisso que está o meu diferencial.

2. E no papel de consumidora, qual a relação com as tendências de moda?

Adoro estar na moda!!! Sigo tendência mesmo! Uso e abuso de tudo! Não tenho medo de ousar!

Super ligada na moda, Carol segue e lança tendências! No detalhe, pulseiras da marca compondo o look.

3. Você usa acessórios para ir malhar e para ir à praia?

Para ir malhar uso quase nada, no máximo uma correntinha curtinha e um brinquinho pequeno. Já para ir à praia uso sim! Pode ser colares, pulseiras ou brincos…

Invista nos acessórios certos para ir à academia e à praia... e arrase!

4. Qual é a sua extravagância necessária?

Minha maior extravagância é consumir demais! Por gostar de estar sempre na moda, sempre estou buscando uma novidade, seja nas minhas criações como no que vestir! 

5. Qual peça você elegeria como hit do verão 2010/11?

Acredito que as pulseirinhas de crochê com certeza! Tem de todas as cores, e ficam lindas várias juntas! Não tenho uma cliente que vá ao meu ateliê e não leve pelo menos uma!

As pulseirinhas de crochê - Hits para o verão 2010/11!

Em setembro saiu uma reportagem no Estadão sobre caçadores de tendências, e em determinado trecho, onde se apontam algumas macro-tendências, diz assim:

“Buscar o controle da vida e reconstruir o mundo em cima de outros eixos também está em alta. Seria um desdobramento da sustentabilidade. Valorização de produtos locais e da criatividade individual.”

Daí que poucos dias depois fui ao Barra Fashion e tive a oportunidade de conversar com alguns estilistas locais sobre suas inspirações e coleções. Percebi que, apesar de em algum momento suas coleções convergirem [inevitavelmente] para must-haves globais (afinal estamos todos expostos, de certo modo, às mesmas influências, aos mesmos filmes, mesmos livros, mesmas notícias), o direcionamento é outro, sem a preocupação do estar-alinhado-às-tendências, e sim mantendo o foco na mulher contemporânea desenhada a partir das suas visões de mundo, que pode ser baiana ou não, mas que por estes estilistas serem e estarem na Bahia, tais influências são imprimidas de alguma maneira na moda que criam.

Leila da Cruz pensa a moda para uma mulher global com referências

Como afirmou a estilista baiana Leila da Cruz, a sua moda é para uma mulher global com referências! Leila, enquanto criadora, gosta de estar com os “radares ligados” para captar uma coisa ou outra de inspiração, apesar de não estar voltada para as tendências ditadas pela moda. “O olhar da mulher baiana se abre com estilistas locais” – reflete. Além de Leila da Cruz, os estilistas Luciana Galeão, Karol Farias, Vinicius Cerqueira e Fábio Sande compõem o time que desfilou no último Barra Fashion Mall coleções que possibilitam essa abertura.

Luciana Galeão, Karol Farias, Vinicius Cerqueira e Fábio Sande: uma moda inspirada

E quando nós consumimos uma moda local, nós impulsionamos uma moda auto-sustentável, a criatividade, e, porque não, o auto-conhecimento. A partir de uma ótica mais personalizada, de certa forma é traduzido um “sentimento comum” do que realmente queremos naquele determinado momento, independente das bolsas lindas da Mulberry ou do sapato desejo da Chanel (e que a gente pode usar em diversas ocasiões!), mas também porque há certos momentos em que é preciso repensar a moda para a vida que a gente leva: quando o verão chega, quando o Baêa joga, ou quando você vai a um Caruru, quando os bares estão fechando na hora que a gente deveria estar começando a se arrumar pra ir pra balada pro reggae, quando a gente sente frio aos 23 ºC, ou vai ver o jazz no MAM, quando é convidada para um casamento chiquerésimo (mas que dá pra ir de curto!) no Espaço Unique ou a uma formatura na piscina de ondas desativada do Wet´n Wild, ou até mesmo quando acontece um show lindo internacional em meio àquele barro do Parque de Exposições, por mais golden que seja a sua pista! Nessas situações, o que a gente mais quer é estar adequada. E sustentabilidade é também adequação.

Imagens: reprodução
Montagens: Caçadora de Tendências

Muitas vezes, quando se mora ou se passa uma temporada numa cidade quente e (muito muito, oh hell!, muito) úmida, como Salvador, é preciso abrir mão de algumas tendências de beauté para poder brilhar o dia inteiro (ou a noite toda) sem ficar com a cara de ursinho panda. E quando chega o verão então, além da quentura ser maior, ainda tem outro agravante: os ensaios de verão, as festinhas sem hora para acabar e… carnaval, é claro – a prova de fogo contra qualquer maquiagem que se diz à prova d´água!

Pensando nisso, e vivendo nisso, que venho caçando maquiagens à prova d´água há muito tempo, e procurando maneiras de incorporar as tendências de maquiagem sem deixar o make derreter no meio da festa. E de tanto testar, aprovar e usar, vou compartilhar essas dicas com vcs! O mais bacana é que as marcas de cosméticos têm voltado os seus olhares para os produtos à prova d´água, o que é uma tendência que promete trazer bons frutos – com uma maior variedade de produtos e cores mais resistentes às transpirações. Porque né? As grandes emoções da vida nos fazem borrar a maquiagem, e o que a  gente quer mesmo é estar sempre linda em todos os momentos!

Só uma última ressalva: em se tratando de verão, menos é MAIS! Quando for para a festa de axé, principalmente se for na pista ou no bloco, tente esquecer pó, base, corretivo. Você vai suar, vão pisar no seu pé, derramar cerveja no seu cabelo, e, com sorte, se chover, vai ser ao final da festa. Sem contar que super produção pra carnaval e derivados é um tanto over! Vc pode arriscar uma sombra à prova d´água e um kit primer e spray fixador de maquiagem, mas nessas situações, quanto mais produtos no seu rosto, mais detonada e oleosa pode ficar a sua pele com tanta gente junta, pulando, por mais estátua e cercada de ar condicionado que vc esteja. Pra curtir sem estresse de checar o espelho, o truque é investir nos acessórios, num belo modelo de abadá e nas dicas básicas (indispensáveis) a seguir!

1. Lápis

Lápis à prova d´água é uma preciosidade que vale para o ano todo na vida soteropolitana!

Outra dica para o segmento “lápis”: não dêem ouvidos aos vendedores chatinhos de uma marca que não tem a opção à prova d´água e tentam te empurrar um lápis “de boa fixação”. Isso não vale para a umidade de Salvador! Faz assim: faça um risco nas costas da mão e depois tente limpar esse risco com a outra mão. Se borrar ou apagar facilmente, já não serve. Se continuar intacto, é o lápis da sua vida!

I – Lápis retrátil à prova d´água Make B. – O Boticário

Pena que só tem nas cores preta e marrom, mas vale muito à pena, principalmente porque custa cerca de R$ 26,90. Chego a comprar de 2 a 3 desses por ano. É à prova d´água, mas vai embora que nem água, de tanto que eu uso!

Lápis à prova d´água O Boticário

II – Le Crayon Khôl Waterproof – Lancôme

Uma opção mais sofisticada! O traço é maravilhoso e tem mais opções de cores para vc fugir do pretinho básico e dar um upgrade no seu make básico de ensaio de verão. O site da Sack´s mostra as opções de cores, mas até hoje só encontrei no tom raisin noir. Quando encontrar o azul marinho, arremato o meu! Custa cerca de R$102,90.

Lápis à prova d´água Lancôme

2. Rímel

O que tenho percebido em alguns rímeis à prova d´água é o seguinte: mesmo que chova muito, você não vai ficar com cara de panda. Por quê? Porque eles não borram – eles simplesmente quebram e vão embora sem te deixar vamp!

I – Ôscillation Water Resistant – Lancôme

Na verdade, o que eu uso nem é o water resistant nem nada, e funciona super bem. Mas já lançaram a versão à prova d´água, e, claro, é bem mais poderoso! O ôscillation é aquele da escovinha vibratória! Além de ter uma fixação maravilhosa, o rímel é muito bom. Custa cerca de R$ 142,00.

Ôscillation Lancôme

II – Super Extend e Super Curlacious – Avon

E tem as opções mais em conta, que são esses dois rímeis da Avon que ganhei outro dia e testei num ensaio de verão! Também um sucesso, ainda não testei no carnaval, mas dá pra apostar, visto que já são naturalmente “à prova d´água”. A diferença é que o Super Extend (R$ 14,99) promete alongar e o Super Curlacious (R$ 19,00) promete curvar. Mas eu usei os dois de vez, não podia? =D

Rímeis à prova d´água Avon

 *Dica Bônus: cílios postiços são uma boa pedida para os camarotes!

3. Blush

Ainda não achei nenhum blush à prova d´água para comprar, então encontrei a solução pra essa agonia: tenho apostado na regra da mistura de texturas para fixar mais. Gosto muito dos blushes em creme para esses eventos porque eles grudam na pele, e como a idéia aqui é evitar passar base e pó, eles fixam bem porque o contato é direto creme-pele. E por cima deles a dica é passar qualquer outro blush em pó para garantir a fixação. Too much information? Não, saúde nunca é demais.

Esse em creme que indico é o da Contém 1g e custa cerca de R$ 24,00. Mas tem em várias outras marcas, tem na Maybelline e tem na MAC, por exemplo, mas ainda não os testei.

Blushes em creme Contem 1g

4. Batom

Sinceramente? Ensaio de verão e batom não combinam muito! Mas caso você queira MUITO usar uma cor nos lábios, o segredo da fixação do batom é quase o mesmo do blush: mistura de produtos! Para isso, um corretivo de boa qualidade, um lápis de boca (faz muita diferença!), e a mistura de dois batons garantem maior durabilidade. O ideal é que pelo menos um dos batons seja especialmente de longa duração. Tem esse teste de batons no site da Lilian Pacce que é perfeito para a situação (hehe): O batom perfeito para beijar seu namorado… sem sujá-lo!

I – Corretivo

II – Lápis de contorno de boca

III – Batom de boa fixação

IV – Misturar com outro batom (que aqui não precisa ser um super MAC)

Kit fixação de batom!

Essas foram as dicas básicas de produtos que já testei e são fáceis de encontrar por aqui!

Dica bônus: a vasta lista de produtos water resistant maravilhosos da Sephora!

Se tiverem mais dicas, podem compartilhar nos comments! ;o)

Lembrando que o Ensaio do Harém já começou!!

O Baile de Máscaras de 90 anos da Vogue Paris, os voilettes como evolução dos fascinators pipocando nos editoriais e desfiles, a coleção de máscara para noivos desenvolvidos por Fábio Sande aqui na Bahia, e só neste final de semana fui a dois casamentos que já tinham aderido às máscaras para o baile, máscaras de luxo! E tem Halloween no final do mês para impulsionar ainda mais esse desejo de máscara!

Não é por nada não, mas acho que Baile de Máscaras is the new Festa a Fantasia!

E, como dito acima, tem o voilette, que seria uma alternativa de “mascarar” o rosto quando a ocasião é de festa, mas não pede máscaras mais elaboradas, muito embora tinha até no Baile da Vogue o voilette fazendo as vezes de máscara! Tá valendo.

E as máscaras em casamentos are the new óculos de coração!

Máscaras dos Noivos por Fábio Sande